quinta-feira, novembro 04, 2010

º Texto sujo º




Foi naquele mês de Novembro que tudo se precipitou. As paredes a contar cigarros, as palavras, eu eu, uma espécie de janela fechada à espera de um Inverno que se faz tardar. Nunca quis que Deus me desse uma redenção, esse Deus que parece troçar de nós enquanto joga às cartas e ao azar. O que eu queria é que ele me esquecesse, já que me tinha abandonado. Não quis uma redenção, queria sim um pouco de coerência, uma que me permitisse deixar de estar zangada, andar pela estrada, sem demoras.
Com o passar do tempo já não me engano e aquele que finge que ama a mim já não me traz consolo. Mas a minha casa não é só uma casa - é uma morada - e assim, tornou-se fácil voltares para passares os dias à ombreira da porta, à espera.
Deixas-me assim um texto sujo, longe da literatura que tanto estimo, essa literatura que guardo no bolso do casaco e que não te pertence. Tenho que insistir: não te pertence aquela literatura que alimenta mais que o pão apesar do meu corpo estar cada vez mais esfomeado. E apesar daquele mês de Novembro, voltei a encontrar-te num violoncelo, num soalho de madeira e num copo de vinho. Encontrei-te na boca de uma mulher e nas mãos de um amante a chorar com uma carta de amor amarrada ao peito.
Habituei-me a ter-te a espreitar a cada esquina, a atravessar o passeio de lado a lado da rua, a apressar o passo, a mudar de direcção. Transformei-me certamente na tua herege preferida só por ser a mais esquiva.
É em Novembro que volto à minha velha máquina de escrever, uma exigência ou uma herança que me entregaste e eu nunca quis. Moldaste-me os dias e deixaste-me um texto sujo, o meu, um rascunho com paixão mas sem alma, dois ou três parágrafos desfeitos, como uma peça à qual falta a didascália e um actor e o pano. A mim, parece faltar-me as pernas, os braços, a voz e o coração desaparece-me do peito. Escrevo promessas em fitas vermelhas e amarro-as às árvores porque tudo o que tenho é um texto sujo que não me livra de ti e que nem sequer é belo.

2 comentários:

via disse...

gostei

Im.no.lady disse...

obrigada :)