quarta-feira, abril 30, 2008

º Como no cinema º

Escrevo como um exercício de ausência de esperança. Não me sinto amaldiçoada. Confusos somos todos e, sem querer, vivemos como no cinema.

Sem comentários: