sábado, fevereiro 03, 2007

º Excertos I º

Não te enganes sobre o meu rosto. Trago comigo os olhos mais vazios do mundo. (Estes não são os olhos que viste da primeira vez)
Não te enganes sobre os meus passos, sequer. O meu corpo está exausto e, vencido, caminha para lugar nenhum.
Mas, sobretudo não te enganes sobre o meu engano, que a fadiga não me mostrou da vida senão a falta dela. (...)
As palavras estão extintas. São sepultadas agora pelo silêncio que as fecundou…
(...) Porém, a ti, dou-te a paz. A ti, dou-te o meu engano, que é o mais do pouco que ainda tenho comigo.
Acredita em mim porque eu não acredito em nada.
Março de 2001

2 comentários:

mfranco disse...

mto lindo e intenso, tb gosto de fazer revisitas às coisas que escrevo, qdo não as destruo...

mudando de assunto, 6ª feira vou mesmo a lx, e em principio devo ficar la à noite, basando pro porto so sabado à noite...

axas q da pa combinarmos algo, tipo cha, conversas e tal???

besitos amiguinha

Cigarettes & Vinyl disse...

claro, liga-me amori :)