quinta-feira, dezembro 20, 2007

º Love is a losing game º



Acordei com esta música no ouvido. Resolvi partilhar.

terça-feira, dezembro 11, 2007

º sem título ou reflexão em fast forward º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
A verdade constrói e a verdade destrói. Assim, levamos as lágrimas pela semana dentro. Fumamos cigarros em fast forward. Despedimo-nos dos amores. Uma porção pequena do nosso coração enrigesse como as mãos dos velhos. Uma porção apenas, apesar dos românticos, dos trágicos e dos inconsuláveis. Uma porção pequena mas certeira. Decidi não amar muitas pessoas ao mesmo tempo por isto que descrevo. Se assim fosse morreria de ataque cardíaco, tenho a certeza.

segunda-feira, dezembro 10, 2007

º People just ain't no good º

terça-feira, novembro 27, 2007

º Mãe babada º

Encontrei a Pimenta numa noite no Bairro Alto, debaixo de um carro quando tinha apenas 3 mesinhos. Agora quase com 1 ano e meio, está cada vez mais linda.
Sim, é verdade, sou uma mãe babada.
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

quinta-feira, novembro 22, 2007

º A pior campanha de sempre º

Foi ontem com muito espanto que me deparei com a nova campanha da Tagus. Ainda pensei que não estava a ver bem, mas é real. "Orgulho Hetero" é o mote da campanha, e já está espalhada por toda a cidade. Não só é ridícula como ignorante. As Panteras Rosa já iniciaram a sua contra campanha que podem visitar aqui. Eu já dei o meu contributo.
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

segunda-feira, novembro 12, 2007

º Rascunho º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Escrevo ao acaso em folhas soltas, guardanapos, páginas de jornal. Guardo tudo como um tesouro. Guardo tão bem guardado que me esqueço de tudo.
Depois recomeço.

Escrevo ao acaso na palma da mão, na mesa, na lombada de cadernos e depois guardo tudo. Guardo tão bem guardado que me esqueço, e já não consigo lembrar-me por ter guardado. Por ter guardado tudo tão bem como um tesouro.

Se ao menos o amor fosse assim. Viesse com um manual de evacuação rápida.

sexta-feira, novembro 09, 2007

º Lembrar Nancy Sinatra º



Acordei com esta música no ouvido.

terça-feira, novembro 06, 2007

º Para ler e coleccionar todos os meses º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

É um bocadinho cara (5.80 Euros) mas vale a pena o dinheiro todos os meses porque os artigos levantam questões realmente relevantes no panorama artístico e museológico,tem informações sobre leilões e mercados de arte e é uma óptima agenda cultural de arte. Para além disso é um verdadeiro objecto de colecção itself - impressão, fotografia e design de alta qualidade.

terça-feira, outubro 23, 2007

º The Bravery º

Estes meninos são bons, muito bons. Aconselho vivamente este albúm.

sexta-feira, outubro 19, 2007

º sem título º

Tens na palma da mão uma dor irrepetível.
E é só.

quinta-feira, outubro 18, 2007

º E então tornei-me ateísta º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

ateu 1 s.m. indivíduo que nega a existência de qualquer divindade 2 adj. que nega a existência de qualquer divindade; incrédulo; céptico (Do gr. átheos, «ateu», pelo lat. atheu-, «id»)


Nasci no seio de um casamento improvável. O meu pai, comunista ferrenho, a minha mãe, católica conservadora. Fui baptizada, sem qualquer direito a voto no assunto, por insistência da minha mãe e avós. Em casa o meu pai falava de "deitar abaixo a Igreja" enquanto a minha mãe assistia pela televisão às diligências de um qualquer Papa em Fátima. Foi também por insistência unilateral da minha mãe que tive catequesse. No dia da minha Primeira Comunhão tive direito a uma festa grande e muitas prendas. Foi a primeira vez, aos sete anos, que tive a sensação de que a fé se pode comprar. A Profissão de Fé e o Crisma vieram no seguimento lógico de um caminho que acabou por parecer óbvio. Na cerimónia de Crisma, lembro-me bem, o padre falou do Demónio e das Trevas, do Deus castigador e punidor, e só depois da Luz e da misericórdia. Alguém, anos mais tarde, ao ver as fotografias me perguntou porque "estavam todos a sorrir menos tu". Hoje, quando penso nisso, tenho a certeza que julguei na altura já ter mergulhado no escuro à muito tempo. Ainda assim a fé, aquela que ainda não sabia que não tinha, acompanhava-me a todo o lado.
Aos 17 anos apaixonei-me por uma mulher e com a paixão veio também a crise de fé, a sensação de ter sido abandonada por aquele Deus, o Deus dos outros. Veio também o desespero, a vergonha, a solidão e com eles os segredos, as lágrimas e as mentiras e as questões intermináveis. Procurei todas as fés, o protestantismo, o budismo, o hindúismo, o niilismo, a selvajaria. Mas eu não cabia em nenhuma. A libertação de uma religião é como uma morte, acredite-se ou não. O poder da educação de anos a fio é inestimável. Ainda assim, não é irreversível. Deixei de ouvir os outros e comecei finalmente a ouvir-me a mim. A fé - aquela dos outros - eu nunca a tive e assim ela acabou por me deixar em paz.
Hoje, quando penso nisso sinto vontade de rir, os dias de infância, a adolescência, a inocência. Não me envergonho de nada, recusar qualquer coisa que não se conhece pode ser um acto de ignorância.
E então, tornei-me ateísta.

terça-feira, outubro 16, 2007

º Diane Arbus: uma bofetada no gosto do público? º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Figura eminente no campo da fotografia contemporânea, Diane Arbus produziu trabalho substancial antes da sua morte por suícidio, em 1971.
Os seus retratos apresentam-nos pessoas e vidas à margem da aceitação social, descrições de pessoas comuns que apresentam e agudizam a fragilidade das suas máscaras sociais, dos valores do público, das normas. Por essa razão foram tremendamente fracturantes e controversas à época..
Arbus nasceu em Nova Iorque no seio de uma familia abastada de origem judia e estudou na Ethical Culture School, instituição de ensino progressista. Com 18 anos casa com o fotógrafo Allan Arbus com o qual trabalha em moda e publicidade, começando nesta altura a desenvolver um interesse particular por fotografia.
Entre 1955 e 1957 estuda fotografia com Lisette Model que a enconraja a concentrar-se no retrato e no trabalho intimista e anti-ortodoxo, desenvolvento um olhar documentarista sobre os seus modelos. Arbus empenhava horas a fio a observar, acompanhar e dialogar com os seus sujeitos de fotografia. As imagens de Arbus são quase invariavelmente objectos de confronto: - entre o modelo e a objectiva desenha-se um recontro cortante no qual o primeiro parece expôr-se directa e voluntariamente, ao mesmo tempo que procura por trás da objectiva uma espécie de compreensão mais profunda.
Sobre as suas fotografias, Arbus, dizia: "What I'm trying to describe is that it's impossible to get out of your skin into somebody else's.... That somebody else's tragedy is not the same as your own." Sobre os seus modelos disse: "Most people go through life dreading they'll have a traumatic experience. [These people] were born with their trauma. They've already passed their test in life. They're aristocrats."
O trabalho de Arbus captou rapidamente o interesse da comunidade artística, recebendo prémios do Guggenheim em 1963 e 1966. Em 1967 o seu trabalho foi exposto em "New Documents" no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque (MOMA), lado a lado com o trabalho dos fotógrafos Gary Winogrand and Lee Friedlander.
Em 1970 Diane Arbus tem estabelecida a sua reputação internacional enquanto fotógrafa pioneira de uma nova visualidade documentarista.
Em junho de 1971 Arbus suicida-se em Greewich Village, Nova Iorque. Não obstante, o interesse pela sua obra transforma-se num fenómeno crescente: em 1972 torna-se a primeira artista americana representada na bienal de veneza. A retrospectiva do seu trabalho no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque viaja pelos estados Unidos e Canadá, sendo visto por mais de 7.5 milhões de pessoas e a monografia do seu trabalho, já vendeu mais de 100.000 cópias.

segunda-feira, outubro 15, 2007

º Conferência Em Volta do Milagre Grego º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

15 de Outubro, 18h00, Auditório 3
Participação de: Maria Helena da Rocha Pereira, Universidade de Coimbra
Entrada Livre
Devido às novidades trazidas pela Arqueologia, Epigrafia e Papirologia, desde o séc. XIX até à actualidade, o nosso conhecimento da Grécia antiga, e bem assim do Próximo Oriente e do Egipto, tem-se enriquecido e continua a enriquecer-se consideravelmente. Porém o modo helénico de questionar a realidade e tentar interpretá-la em termos racionais distingue-se desde logo do dos demais povos. Essa herança intelectual e artística é depois universalizada pelos Romanos vencedores e voltará a prevalecer no Ocidente, sobretudo a partir do Renascimento. Em tempos modernos, a devoção de figuras como Lord Byron à causa da independência grega assume, nesta perspectiva, um valor simbólico.

segunda-feira, outubro 08, 2007

º oito de setembro de dois mil e sete º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

quarta-feira, outubro 03, 2007

º Parte-me o silêncio ao meio º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Foi depois de ti que comecei a padecer de patologias estranhas, raras, mesmo exóticas. Convulsões de abandono e uma ausência de tradução implacáveis.

- Parte-me o silêncio ao meio - dizia eu - de copo de vinho em punho. Parte-mo como se colhesses uma rosa brava no deserto. Ensaiava o gesto de colher uma rosa do chão e estendia-te a flor invisível.

Hoje, penso na beleza como penso numa pausa entre as notas de uma pauta. Não sei explicá-la de outra forma e, possivelmente, irei refinar esta ideia com o tempo até que a torne ilegível como uma caligrafia apaixonada.

Quase gosto desta doença que contraí com o tempo e a sua implacável falta de repouso. É nela que me abrigo para seduzir a saudade até à minha cama. Não uso relógios e desfiz-me de agendas e calendários. Se não posso controlar o tempo, vou antes enganá-lo.
Sim, gosto de silêncio.

terça-feira, outubro 02, 2007

º A memória em Polaroid º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Talvez a memória seja como um fenómeno proporcionalmente inverso ao processo químico de um polaroid.

domingo, setembro 30, 2007

º O vestido vermelho º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Será tudo como te disse. Não haverá pátria nem chuva este Inverno. Só um céu assombroso sobre o teu vestido vermelho. Entre as paredes trarás desejos furtivos de cocaína e pirilampos, e luzes pequenas que te fazem esquecer a noite. Haverá frutos e madeiras exóticas, candeeiros quentes e mármore, árvores partidas ao meio, mas não, não haverá pátria. Não haverá perguntas ou desejo, nem uma fita calcinada sobre o ombro. Haverá apenas o vestido vermelho sustentando o teu corpo como um esqueleto, o teu corpo azul que não tem nome nem rosto.

º Seminário Internacional - IMAGEM, MEMÓRIA E PODER º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Seminário Internacional
IMAGEM, MEMÓRIA E PODER
Visualidade e Representação
Entre 15-16 de Novembro de 2007 na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Auditório 2 (Torre B, 3º andar).
Regime Geral: 50 Euros
Estudantes: 25 Euros

Eu vou.

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

quinta-feira, setembro 20, 2007

º Escrevo como quem procura º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Às vezes escrevo como quem procura um passaporte.
Sou muçulmana em Telavive, vendedora de histórias em Lisboa, gaiteira em Santiago de Compostela, activista anti-globalização em Bruxelas, infiel no Vaticano, afrikaan na Cidade do Cabo.
Sim, escrevo como quem procura um passaporte e, ainda assim, permaneço uma estrangeira na minha própria rua.

quarta-feira, setembro 19, 2007

º How i became an article º

"They killed me once
Then wore my face many times"

Samih al-Qasim in Victims of a Map - A Bilingual Anthology of Arabic Poetry

terça-feira, setembro 18, 2007

º Beware with who you mess with º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Só mesmo o Tarantino para me pôr a rir de cenas de um sadismo retorcido. Uma das melhores cenas de perseguição de carro que vi ( e eu não sou por aí além apreciadora...), um vilão que muda de personalidade para se tornar num menino de coro assustado, umas vítimas que se transformam em perseguidoras psicopáticas e um elevado teor de humor negro daquele que nos faz rir à gargalhada enquanto pensamos - "oh não, isto é tão errado!".
Hilariante. Retorcido. Um argumento quase inexistente. Um milhão de pormenores ao melhor estilo "tarantino". Umas miúdas sexy. Uns carros a rugir muito. Alcoól, drogas, palavrões e mais-do-mesmo. Uma fotografia bem conseguida. Um look will west fancy crap.
Recomendo totalmente. Go see it, now.

sexta-feira, setembro 07, 2007

º Diários anónimos º

On me dit que nos vies ne valent pas grand-chose,
Elles passent en un instant comme fanent les roses,
On me dit que le temps qui glisse est un salaud,
Que de nos chagrins il s'en fait des manteaux.

Pourtant quelqu'un m'a dit que tu m'aimais encore,
C'est quelqu'un qui m'a dit que tu m'aimais encore,
Serais ce possible alors ?
(refrain)

On me dit que le destin se moque bien de nous,
Qu'il ne nous donne rien, et qu'il nous promet tout,
Paraît que le bonheur est à portée de main,
Alors on tend la main et on se retrouve fou.
Pourtant quelqu'un m'a dit...


Mais qui est-ce qui m'a dit que toujours tu m'aimais?
Je ne me souviens plus, c'était tard dans la nuit,
J'entends encore la voix, mais je ne vois plus les
traits, "Il vous aime, c'est secret, ne lui dites pas
que je vous l'ai dit."

Tu vois, quelqu'un m'a dit que tu m'aimais encore,
Me l'a t'on vraiment dit que tu m'aimais encore,
Serait-ce possible alors ?

On me dit que nos vies ne valent pas grand-chose,
Elles passent en un instant comme fanent les roses,
On me dit que le temps qui glisse est un salaud,
Et que de nos tristesses il s'en fait des manteaux.
Pourtant quelqu'un m'a dit...

Carla Bruni

segunda-feira, setembro 03, 2007

º O meu private (very) little garden º

Regadores
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Dracaena Marginata Magenta
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


"Veterans Hounour" Hybrid Tea Medium Red Rose
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


"Veterans Hounour" Hybrid Tea Medium Red Rose (Pormenor)
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Flor Amor Perfeito aka Viola Tricolor
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Alfazema aka Lavandula angustifolia Mill
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Hortelã Pimenta aka Menta piperita L.
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Mangerico aka Ocimum basilicum
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Árvore de Jade aka Crassula Ovata
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Pinheiro nórdico (i guess)
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


have no ideia aka does someone knows?
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

terça-feira, agosto 28, 2007

º Perdeu-se º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

A quem encontrar o cretino pede-se o encarecido favor de o devolver ao Texas de onde nunca devia ter saído. Muito obrigada.

segunda-feira, agosto 27, 2007

º Guerilla girls: hacking culture º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Mais em Guerrila Girls

segunda-feira, agosto 20, 2007

º Diários anónimos 03 º

Há dias em que nem os sapatos que calças parecem os teus.

quinta-feira, agosto 16, 2007

º Diários anónimos 03 º

Vírgula. Reflexão oblíqua entre ideias. Ponto.
Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

segunda-feira, agosto 13, 2007

º Diários anónimos 02 º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

"as palavras, quando mortas, já não valem a pena porque substítuiram tudo. criaram outras realidades. é com medo que me vejo por trás de cada uma delas. as palavras são perigosas máscaras fúnebres que se colam à cara e não precisam de boca, de voz. as palavras mudas escondem o medo de um dia deixar de saber quem sou por trás de tanta máscara sobreposta."

sexta-feira, agosto 10, 2007

º Diário anónimo 01 º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


às vezes dói quando estás presente,
mas vai doer mais quando te empurrar para longe de mim.

º memorize the city º

oh, darkness filled the sky as pools of water filled your eyes
they sparkled like phosphorescence in the bay
although our lips barely touched
i have never felt so much
and i’d really like to feel that way again
oh , oh , when ?
i walk through the streets and memorize the city
i count every light until i reach the shore
sometimes i close my eyes and you’re not very pretty
sometimes i can’t believe i’ve had those thoughts before
we pulled a boat down to the dock and stole two sturdy oars
i pushed you off into the dark: acrisius favours
and from above the great abyss
you threw pennies in and wished for the feeling of wanting nothing more
sometimes i close my eyes and hope that i can keep away all the darkened skies


The Organ

quarta-feira, agosto 08, 2007

º amor, amor, amor disse ela º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

, morria devagar enquanto carregava a mochila de flores e pedras.

Morria-me devagar enquanto tentava, tentava colher um pouco de amor de entre as paredes ao largo.

Morria devagar de manhã pelo jardim já a anoitecer, de manhã já nós a anoitecer.

Amor, amor, amor - disse ela - procurando ainda, procurando como se fosse possível morder o amor como um fruto.

Morria-me devagar procurando morder, como se fosse ainda um fruto maduro de morder, morder o amor, amor,

terça-feira, agosto 07, 2007

º Vida de adulto º

Há aqueles que cumprem a sua pena e acreditam que não pode ser de outra forma. Tornam-se adultos. Nunca fui boa a aceitar um estado em que não encaixo. Nunca serei adulta. Não assim.

º Novidades para o meu jardim º

Começo a não ter espaço para colocar todas as plantas que levo para casa. No fim de semana comprei 3 cactos e estou apaixonada. De repente descobri que à milhares de géneros de cactos, que estes se dividem em grupos, sub-grupos e familias e tipos. Já os transplantei para um vaso maior. Aqui ficam fotos para darem uma espreitadela. Em breve prometo postar fotos do meu private garden onde dou asas ao meu hobbie (pouco ou nada) secreto.

Haworthia attenuata

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Parodia

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Gimnocalycium Mihanovichii "Hibotan" (Cacto enxertado)

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

quinta-feira, agosto 02, 2007

º Oh my! She's so hot, she has got a Mercedes º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


O Mercedes da minha vizinha fala espanhol

Ia eu, rua abaixo em direcção à porta de casa, chave na mão, distraidamente e eis que alguém me chama. Olho para trás e vejo um enorme carro, tipo banheira de luxo, resplandecente, novíssimo, pra-lá-de espalhafatoso. Depois lá reparei numa figurinha pequena e enfezada que sorria para mim. É a filha mais velha da minha vizinha do 3º andar que custumava brincar comigo quando eramos crianças. Levei alguns segundos a reconhece-la e já ela vinha ao meu encontro:
- "Como-estás?-Bem?-Que-Bom?Eu-Também-Formei-me-em-Direito-Trabalho-na-Empresa-do-meu-Pai-ganha-se-bem-e-tu?Tás-tão-elegante-mas-devias-arranjar-te-mais-Eu-vim-agora-de-férias-Olha-o-meu-Carro-não-é-lindo?Tem-limpa-brisas-automático-6-mudanças-automáticas-televisão-e-Dvd-Oh-Mas-não-é-nada-Só-um-capricho-e-Tem-um-Painel-inteligente-Diz-tudo-o-que-se-passa-com-o-carro-E-em-que-parte-Ainda-Bem-Não-percebo-nada-de-carros-e-diz-me-se-as-portas-estão-bem-fechadas-quando-devo-pôr-gasolina-essas-coisas-importantes-para-uma-mulher- ...mas-só-tem-um-problema-é-em-espanhol!"
Estranho como as pessoas crescem e depois parece que as suas vidas se alhearam tanto das nossas que não acreditarias se não visses com os teus próprios olhos.

quarta-feira, agosto 01, 2007

º Post Secret - optimismo para uma longa noite escuraº

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

terça-feira, julho 31, 2007

º Hola Lisboa - 2ª Edição do Festival de Cinema Ibero-Americano º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Hola Lisboa - 2ª Edição do Festival de Cinema Ibero-Americano
Este festival pretende dar a conhecer ao público português e estrangeiro o que se faz de melhor no cinema latino, desde os grandes realizadores até aos jovens cineastas dos 23 países envolvidos.
Para a premiação com o "Galo de Ouro", estarão em disputa o melhor filme de longa metragem, melhor filme de curta, melhor argumento, melhor direcção de fotografia e o grande prémio do júri. Uma grande novidade é a criação da categoria "Soap Opera" para premiar a melhor produção de telenovelas.

segunda-feira, julho 30, 2007

º Fuck Bush º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

Ele é tão mau e está sempre a bombar! Agora são os pacotes de armas para Israel e aliados!
Como é possível que com uma taxa tão elevada de mortes por balas perdidas nos E.U.A., ainda nenhuma deu cabo deste cretino? É muito azar...

segunda-feira, julho 23, 2007

º Palestina: para quando o fim da opressão? º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
O mundo dá voltas sobre si. Os media reportam, comentam, noticiam. Nada muda.
A palestina continua ocupada. As lágrimas, e os pés descalços, e a violência. E a pobreza, as mortes, as bombas. Para quê? E a resistência? É preciso lembrar, é preciso não esquecer.
Pelo fim da ocupação, Palestina livre, já!

sexta-feira, julho 20, 2007

º 3 O'clock blues º


Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket


Duas pessoas. Duas pessoas a dormir sozinhas na mesma cama.

quarta-feira, julho 18, 2007

º Notre Music º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
" - A ausência de poesia num povo é razão suficiente para a sua derrota?
A poesia é uma proposta de futuro ou instrumento de poder?
Pode um povo ser forte não tendo poesia?
Eu era filho de um povo até lá não reconhecido, e quis falar em nome do ausente - em nome do poeta de Tróia. Existe mais inspiração e riqueza humana na derrota do que na vitória.
(...)
- Há enorme poesia na perda. Se eu pertencesse ao campo dos vencidos participaria nas manifestações de solidariedade com a vítima. Sabe porque somos nós, palestinianos, célebres? Porque são vocés o inimigo. O interesse pela questão palestiniana emanou do interesse pela questão judaica. Sim, é por vocés o interesse, não por mim. Nós tivemos o azar de ter por inimigo Israel, que tantos simpatizantes tem por esse mundo fora. E nós tivemos a sorte do nosso inimigo ser israel, visto os judeus serem o centro do mundo. Deram-nos vocés a derrota e a fama. (...)
Um país que tem grandes poetas terá o direito de vencer um país que não tem poetas?"
Notre Music de Jean-Luc Godart

terça-feira, julho 03, 2007

º Fragmentos para um corpo meu Parte 0.1º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Não sou um animal de hábitos. Sofro no entanto da necessidade quase irremediável de voltar regularmente a lugares de paixão.
Certa vez vi a cidade amanhecer através das folhas verdes do jardim. É um amanhecer lento - a luz entra devagar pelas palmas das mãos, depois pelos olhos e pela boca e atinge finalmente o chão.
Não sou um animal de hábitos e sofro no entanto da saudade sempre pesente do meu jardim.
Príncipe real.... jardim onde amanhece a cidade inteira.

quinta-feira, junho 28, 2007

º Parabéns a mim º

Já sou uma licenciada no desemprego.

quinta-feira, maio 31, 2007

º Tenho os meus fantasmas º

Photobucket - Video and Image Hosting
Tenho os meus fantasmas. Conhecemo-nos bem. Há entre nós um silencioso pacto de paz. Por vezes uma flecha azul atravessa-me a espinha - é o sinal, sempre combinado, da sua ruína. Nem sempre foi assim.
Conheci em tempos uma mulher que me levou para casa. Nas minhas mãos leu poesia e leu também o fatal síndroma da vaidade. Recordo bem as suas mãos decididas a agarrar as minhas como se o mundo fosse uma esfera a boiar dentro de outra esfera, e outra e outra. Só segura assim umas mãos com firmeza quem nada sabe de si. Era como uma divindade atirada ao solo, castigada, pela sua infinita melancolia, a permanecer em terra para revelar aos outros a simplicidade do abandono. Tentei resistir em vão. Quanto mais me debatia mais ela me puxava à terra, aos meus monstros. Às perdas por saborear. À saudade sempre ausente. E eu, barreira armada de silêncios, tive então visões persistentes do Abismo. Era à noite que os fantasmas mais dançavam e foi pelas mãos dela que regressaram vezes sem conta. Finalmente, um dia chegaram-me as lágrimas, imensas -as mãos dela apertando as minhas com força como se espremesse um fruto triste. E então, ela desapareceu. Foi assim que aprendi chorar. Tenho os meus fantasmas e, desde então, conhecemo-nos bem.

quinta-feira, maio 24, 2007

º Bonjour tristesse º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket

terça-feira, maio 22, 2007

º Marcas (Imprints) Virginia Woolf na Culturgest º

Para quem gosta da obra de Virginia Woolf fica a sugestão de assistirem na Culturgest, quinta-feira dia 26 de Maio pelas 18H30 (Sala 2) a "Virginia Woolf - o romance como corrente da consciência", uma "conversa" moderada por Helena Vasconcelos.
A entrada é gratuita. Mais informações aqui.

segunda-feira, maio 21, 2007

º Matar todos os deuses º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
No dia em que nasci caiu uma nuvem por terra. Cresci fascinada por muros e abismos. Da vida levo esta sensação sempre inacabada da urgência de matar todos os deuses.

domingo, maio 20, 2007

º A história dela º

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Recordo os meus pés sempre descalços no chão dela. O teu. E o mar. Contigo, o mar ao largo, imenso. Choro sempre sozinha porque esta é a história dela. E eu de pés descalços no chão.
Perdoa – não posso calçar sapatos apertados. Não uso palavras polidas. Não quero muito. Não tenho nada.
Esta é a história dela, e eu olho o mar ao largo e prefiro os meus pés descalços no chão, palavras simples – perdoa.
Já estás demasiado esquecida. Os anos pesam em cada osso teu. Agarro com força os teus ombros, estendo-te os braços e as palmas das mãos. Sigo a linha da tua espinha devagar como se estas tuas asas que eu imagino se pudessem rachar ou quebrar, gastas pelo tempo abrasivo. São como folhas secas de Outono as tuas asas – belas, mas mortas.
O mar nos meus pés descalços sobre as tuas asas mortas, numa noite qualquer. Perdoa – esta é a história dela.