segunda-feira, julho 31, 2006

º Digo - lamento - e na verdade minto º

Já não sei que faça desta minha intuição. Tu dizes que mente, e com tuas crueldades vai-la desfazendo devagar.
Adorno as tranças de rosas e tu dizes que te lembram o jardim murcho de um cemitério. Flores secas abandonadas ao esquecimento do tempo. Ofereço-te um sorriso de manhã e só tens o teu eterno azedume para devolver. Em criança desaprendeste a forma de um sorriso.
Choras porque o teu gato te abandonou uma vez. Depois, encontrei o teu gato e trouxe-o de volta a casa. Pergunto-me se te apercebes que o abandonaste já um milhar de vezes. Nunca o devia ter trazido de volta. Disseste-me uma vez que o teu gato era como um caco do passado. O gato que a tua amante te deixou quando te abandonou. Sinto compaixão pelo gato, mas não por ti.
Convidaste-me para viajar contigo. Devolvo-te um sorriso vazio. Não gosto de passar demasiado tempo contigo. Fazes-me entristecer com a tua amargura. Exasperas-me com a tua dureza.
Digo - lamento - e na verdade, minto.
Passado todo este tempo, continuo a acreditar que és a pessoa mais infeliz do mundo.
Há dias em que só me apetece desaparecer. Puf.

quinta-feira, julho 20, 2006

º Um pardal bébé à porta de casa º

Photobucket - Video and Image Hosting
Encontrei um pardal bébé à minha porta. Olhando à volta suponho que tenha caido de um ninho no telhado do prédio. Trouxe-o para casa. Fiz-lhe um ninho. Fiz uma pesquisa na internet: "feed baby sparrow" e encontrei o método para tratar e alimentar o pequenino benjamim pardal (a internet é um mundo). Uma mistura de ração proteica e vitaminas para aves, com cálcio desse que se vende aí em tabletes, ovo e pasta de maça é o ideal para a sua dieta. E alimentá-lo de 2 em 2 horas. E mantê-lo quente. A possibilidade de sobrevivência de uma ave bébé em cativeiro é quase nula, dizem os especialistas. Fico um pouco desanimada. Não se perde nada em tentar, anyway.
Chamei-lhe Sebastião, tem entre 2 e 4 semanas e é o meu mais recente amor.

terça-feira, julho 18, 2006

º Nos teus telhados de vidro º

Photobucket - Video and Image Hosting
Já não sei quando foi a última vez que te vi. Já nem qual a última vez que me procuraste. Ainda assim reconheceria o teu rosto no meio de uma multidão em fúria. Pode parecer banal, mas é assim.
Esforço-me para te compreender e não consigo. Talvez não seja obscura o suficiente para compreender as movimentações do ego, assim como tu as fazes. O teu silêncio não máta. O teu silêncio, o que faz, é escrever a tinta na minha cabeça os percursos da tua deserção. Como um mapa, mas ao contrário.
Disseste-me, uma vez, que gostas do que eu escrevo. No entanto, o mesmo livro que te dei restará ainda no mesmo sitio sobre a tua cabeceira sem que o tenhas lido. Esforço-me para te compreender e não consigo.
Enquanto arremessas pedras, é nos teus telhados de vidro que olho o meu reflexo. Quem nunca amou? Quem nunca abandonou? Quem nunca escondeu aquele beijo dado a um antigo amor? Quem nunca mentiu?
Gostamos de nos enganar, é o que penso. Quando mentimos a alguém, gostamos de pensar que o fazemos para o bem de um outro que não nós. Não é verdade. Quando mentimos a alguém é só a nós mesmos que fazemos um bem. Somos os seres mais egoístas do mundo. Não, não nasci iluminada: o tempo ensinou-me isto.
Por isso mesmo, não é errado nunca contar a verdade. A verdade é o único amor possível. É o único factor inalienável do tempo.
Talvez o meu erro tenha sido trazer-te ao colo, numa redoma de vidro, com medo constante que caisses e te quebrasses.
Tirei a tua fotografia do meu quarto, não gosto de olhar para ti. Fazes-me sentir que, ainda que corrido este tempo todo, são ainda os erros do passado que ordenam a minha vida. Exerces o poder da culpa como se nunca tivesses ferido um dedo.
Não te censuro. Esforço-me para te compreender e não consigo.
Não consigo.

segunda-feira, julho 17, 2006

º Prophesy º

«Technology is a drug.
We can't get enought of it.
We feed it to our kids and whatch them grow on a forced diet of desensitization. Switch on the T.V. and someone will tell you 50.000 people died in India. Two seconds later you're watching a comedy. Technology can do that. It gives us simulated realities that make us oblivious to the real world. Heroin does the same thing. So do most class A drugs. Basically, we are all addicts - addicted to the comfort and convenience that technology provides - addicted to the notion that progress is directly related to the size of your computer screen. Of course it is. We must be right. We come from the devoloped world. We're already devoloped. Sure. Then again, wealthy kids in America shoot each other. Poor kids in Soweto can't stop smiling.
So who's devoloped?
I met an Aborigine in Amhemland, Australia - his nephews showed me symbols where i saw trees and rainbows trough smoked glass. They could see fish through clouded water. I couldn't even see my own reflection. I must have forgotten how.
When i look in front of me, i see two paths - spiritual or material. Two worlds - devoloped or devoloping. You decide wich is wich. We're still in the wake of millennium paranoia - earthquakes, floods, end of world scenarios, cult siucides, viral diseases that eat into our computer realities. This is our devoloped world.
Then, as Nelson Mandela says "we are free to be free".
I guess we make our own prophecies.»
Nitin Sawhney, Prophesy, 2001

º Gosto de te ter assim º

Gosto de te ter assim, adormecida ao meu lado. O silêncio impera sobre tudo. Só nos somos maiores. Só nós.

domingo, julho 16, 2006

º A primeira noite º

A primeira noite.
Aquele poema que vou trauteando devagar como se o tempo fosse uma marioneta de fios entrelaçados.
E a primeira noite.
Os nós dos dedos vermelhos de pressionar o rebordo da mesa. Os nós dos dedos frios, sem ti.
A primeira noite, de janelas fechadas. Fechei-as para me trancar, longe de mim.
Um calor sofucante, nada se mexe, tudo se derrete. Até o tempo derrete como se fosse um brinquedo, uma marioneta de fios entrelaçados.
A primeira noite, num quarto onde tudo me é estranho. Só fumar me faz esquecer . O fumo é espesso como a memória.
Esta noite, marioneta de fios entrelaçados como se adivinhassem que eu parti.