quinta-feira, junho 22, 2006

º Olhando por trás das costas sem, no entanto, me virar º

ela disse: - há na tua voz uma frieza subtil, como que um desencanto de mim.
eu disse: - quando as nossas mãos se tocam, agora, é como uma melodia que deixou de tocar, uma corda partida de uma guitarra, uma orquestra sem maestro, o som estrangulado de uma flauta.
ela disse: - uma melodia que deixou de tocar.
eu disse: - sim... estar aqui contigo é como caminhar para a frente, olhando por trás das costas sem, no entanto, me virar.
e conclui: - deixou de tocar, uma melodia que deixou de tocar. Parou.

2 comentários:

Oscar disse...

Há outras formas de se despedir com a música a tocar, minha amiga, à Bergman, e em duo, tocando a última Sarabanda. Eu te beijo, daqui,

Cigarettes & Vinyl disse...

Ingmar Berman... verdade, o Sarabanda. Obrigada por me fazeres recordar.