segunda-feira, maio 22, 2006

º Oscar º

Tu perguntas e não sabes, não sabes. «Nem tudo acaba aqui, nem tudo começa aqui». A subtil arte das lágrimas. Aquelas que tu não sabes. Poeta de pena sem vez, tens nos bolsos as ilusões fantásticas do coração.
  • Olhas o caroço de um péssego e vés nele o pessegueiro em flor.
  • E na tua testa desabrocha um beijo, "Voilá mon coeur".
    Tu perguntas e não sabes, não sabes se pões o teu coração aqui, ali ou acolá.
    Tu perguntas e não sabes, poeta de mapas inteiros e magia nas algibeiras.

    Para o Oscar, com saudade

    Sem comentários: