terça-feira, maio 16, 2006

º O dom º

Sobre estas paredes de água
Ergue-se um céu
Feito de chuva e vento

Sobre estes tectos de água
Erguem-se visões cinzentas
Os dias aguardam a sua vez

Sobre estas contruções de água
Ergue-se o dom, lento e solitário
Da melancolia

2 comentários:

Oscar disse...

O tempo passa tão depressa que me assusto ao perceber o quanto gosto do que escreves, e o quanto tão poucas vezes vim até aqui. Não foi por falta de interesse, ou de afecto, mas é porque às vezes me desligo daquilo a que chamamos de mundo. Um beijo grande em ti, Menina, daqui, da outra margem.

Cigarettes & Vinyl disse...

O afecto não se mede pelo que não há, mas pelo que é. Um beijo cheio de saudades para o Oscar