quarta-feira, maio 31, 2006

º Não sei quem és º

Não sei quem és mas sei que sabes da minha solidão. Sabes das noites longas em que a memória trespaça o coração, aquelas em que não se suporta mais uma noite a cair, imensa, terrível, e por isso se mergulha naquele silêncio. Não é estar calado, é gritar a plenos pulmões, e eu não sei quem és mas sei que sabes. Reconheço pelo olhar a subtil arte do abandono, o voraz, irredutível, incontornável. E eu não sei quem és mas sei que sabes desta solidão.

º Fim de semestre, princípio de exames º

E heis que chega a recta final do semestre. E o stress. Cigarros atrás de cigarros fumados em tardes intermináveis estudando na esplanada do Principe Real. "Depois dos exames deixo de fumar" - as promessas de sempre. As sebentas, fotocópias e livros acumulam-se na minha mala, misturam-se e confundem-se espalhados sobre a mesa.
"É mais um café, por favor". Agarro um marcador colorido, verde, laranja, amarelo, quero-lá-saber, e a tarde segue, devagar.
Se não fosse a luz rasante entre as folhas das árvores deste jardim, ao amanhecer e ao fim de tarde, morria.

segunda-feira, maio 22, 2006

º Oscar º

Tu perguntas e não sabes, não sabes. «Nem tudo acaba aqui, nem tudo começa aqui». A subtil arte das lágrimas. Aquelas que tu não sabes. Poeta de pena sem vez, tens nos bolsos as ilusões fantásticas do coração.
  • Olhas o caroço de um péssego e vés nele o pessegueiro em flor.
  • E na tua testa desabrocha um beijo, "Voilá mon coeur".
    Tu perguntas e não sabes, não sabes se pões o teu coração aqui, ali ou acolá.
    Tu perguntas e não sabes, poeta de mapas inteiros e magia nas algibeiras.

    Para o Oscar, com saudade

    º Parabéns Cigarettes & Vinyl! º

    Photobucket - Video and Image Hosting
    O Cigarettes & Vinyl fez ano no dia 18 de Maio! Só hoje é que me apercebi disso, mas mais vale tarde que nunca, né? Então, vamos celebrar um ano dos meus devaneios? Quem me paga um copo no Agito? hahahahaha :)

    º Quero uma vaca do Cow Parede! º

    Pois é, o Cow Parede tá aí a entrar por Lisboa a dentro, cheia de cor e imaginação... e dá mesmo vontade de levar algumas vacas para casa. O inédito é que li no outro dia no jornal que alguém também quis uma vaca e levou a vontade à letra: tentaram roubar uma das vacas colocando-a num atrelado. O problema é que as vacas são pesadas e grandes... não fica lá muito discreto no quintal, pois não?! Assim, a vaca reapareceu algumas horas depois perdida noutro sitio de Lisboa. E pensavas tu que já tinhas visto de tudo! Não, não... Vistas bem as coisas para quê desviar aviões quando se podem desviar vacas? Muuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuuu :)

    Photobucket - Video and Image Hosting

    º Uma fotografia, um sorriso º

    Olha só o meu sorriso aqui na foto. E depois quem disser que eu não recuperei o meu Zen natural vai certamente ter de consultar um oftalmologista! Watch out, vanduska's smile is about! :P

    Photobucket - Video and Image Hosting

    terça-feira, maio 16, 2006

    º O dom º

    Sobre estas paredes de água
    Ergue-se um céu
    Feito de chuva e vento

    Sobre estes tectos de água
    Erguem-se visões cinzentas
    Os dias aguardam a sua vez

    Sobre estas contruções de água
    Ergue-se o dom, lento e solitário
    Da melancolia

    sexta-feira, maio 12, 2006

    º Show me, show me, show me º

    Photobucket - Video and Image Hosting

    Photobucket - Video and Image Hosting

    Photobucket - Video and Image Hosting

    Photobucket - Video and Image Hosting
    "Show me, show me, show me how you do that trick, the one that makes me smile she said [...] Show me how you do it and i promess you, I promess you i'll run away with you..."

    7 Abril 2006 - Para a Gabinsky da Wanduska :P (sim, eu sei que esta é uma private joke)

    º Melancolia II º

    E tu...? onde te vais esconder?

    º Vou queimar os teus poemas º

    Vou rasgar os teus poemas.
    Vou perder-me acompanhada, mas sozinha num bar qualquer. Beber mais um copo de vinho, vermelho, rubro como o sangue, o sangue.
    Vou queimar os teus poemas, todos, aqueles que me deste, num festival de línguas de fogo e papel queimado e cinzas. Vou queimar os teus poemas sem arrependimento algum, nunca fui boa a guardar palavras mortas comigo.

    º Melancolia º

    «Tu perguntas e eu não sei
    Eu também não sei o que é o mar.»

    Mar, mar e mar - Eugénio de Andrade

    quarta-feira, maio 03, 2006

    º Portugal - Lisboa - Basel - Suiça º

    Sempre gostei de viajar. Cura-me a melancolia. Amanhã parto novamente.
    Switzerland hier gehe ich!

    º o Amor não se percebe º

    Não acredito no amor de novelo, aquele fabricado em série e distribuído em t-shirts e autocolantes coloridos. Esse amor que te diz como o amor deve ser, estudado, testado e doseado para consumo moderado como as pastilhas elásticas e a aspirina. Não acredito no amor como um lugar comum.
    «O amor não se percebe» e eu não percebo.