sexta-feira, dezembro 16, 2005

º A inquebrável máscara da vaidade º

Segura as minhas mãos.
Corta-te na mágoa acetinada da minha pele a cuspir tragos longos de melancolia.
A dor desfaz a inquebrável máscara da vaidade como uma pedra de chumbo desfaz uma fina lâmina de cristal.
A dor desfaz-te os ossos, liquidifica-te o peito, enrigesse as tuas mãos, seca os teus lábios, mata-te o desejo como mata um náufrago perdido à noite no mar.
Desfaço-me na minha dor, estrangeira, desconhecida.
Desfaz-te nas minhas mãos, desfaz-te.

Sem comentários: