quarta-feira, setembro 28, 2005

º Citação apropriada º

Hoje de manhã, no autocarro a atravessar a ponte li:
«Esteve a chorar, os olhos ainda não sabem mentir. Dói-lhe qualquer coisa muito fundo, uma coisa que tem a ver com a falta de amor, a violência da vida.» (Pedro Paixão, Saudades de Nova Iorque)
... e lembrei-me de ontem, como faltei às aulas da manhã depois de ter terminado de ler, também no autocarro, Uma Aprendizagem ou o Livro dos Prazeres de Clarice Lispector. Fiquei de tal modo angustiada que incapaz de não chorar e envergonhada pela minha própria condição me fui esconder na serenidade dos jardins da Gulbenkian. E mal me recomponha por momentos, levantava-me e seguia Av. Berna acima para a faculdade, voltando para trás, qual barata tonta, lavada em lágrimas de novo.
Não, não eram lágrimas de tristeza. Do que eram não sei. Chamei-lhes lágrimas, só.
Obrigada Oscar.

1 comentário:

Oscar disse...

Lágrimas de viagem, lágrimas de aprendizado ou, como bem disseste, simplesmente lágrimas.Com um beijo, Oscar